Sobre a revogação do aumento

Nota nº 10: Sobre a revogação do aumento

A cidade não esquecerá o que viveu nas últimas semanas. Aprendemos que só a luta dos de baixo pode derrotar os interesses impostos de cima. A intransigência dos governantes teve de ceder às ruas tomadas, às barricadas e à revolta da população.

Não foi o Movimento Passe Livre, nem nenhuma outra organização, que barrou o aumento. Foi o povo.

O povo constrói e faz a cidade funcionar a cada dia. Mas não tem direito de usufruir dela, porque o transporte custa caro. A derrubada do aumento é um passo importante para a retomada e a transformação dessa cidade pelos de baixo.

A caminhada do Movimento Passe Livre, que não começa nem termina hoje, continua rumo a um transporte público sem tarifa, onde as decisões são tomadas pelos usuários e não pelos políticos e pelos empresários. Se antes eles diziam que baixar a passagem era impossível, a revolta do povo provou que não é. Se agora eles dizem que a tarifa zero é impossível, nossa luta provará que eles estão errados.

Por uma vida sem catracas!

Movimento Passe Livre – São Paulo

20/06/2013

9 Replies to “Sobre a revogação do aumento”

  1. Eu sou a favor do transporte público gratuito. Sou a favor de que aumentos do combustível na bomba e do IPVA financiem o transporte público. Será que o MPL seria a favor destas políticas?

  2. E que história é essa de estado de direito? Eu não tive o direito de saber oficialmente onde iriam acontecer as manifestações. Este direito está previsto na constituição, Sariel.

  3. Sariel, como é que um movimento que alinha hashtag com a FIAT vai apoiar boicote aos patrocinadores?

  4. De baixo? De baixo de onde meu camarada? O povo? 200 mil por dia nas ruas representa exatamente os 1% de cima, em um universo de 20 milhoes de habitantes que é a grande SP, por exemplo. Pára com isso. Revolta do povo? Foram vocês, 1%, na Rede Globo, meu camarada. Seria lindo o movimento, se vocês realmente compreendessem e representassem os interesses do povo de fato, mas não. Vocês abriram os portões para a volta do que há de mais retrógrado na sociedade brasileira. Vocês deram microfones e holofotes aos mais conservadores. Caíram como crianças na conversa do estelionatário. Fizeram o jogo (espero eu) da imprensa contra as conquistas populares brasileiras, lentas porém legítimas e democráticas, dos últimos anos. Vocês não viveram o Brasil do século passado, não entendem o quanto este país mudou. No ímpeto da juventude, esqueceram de analisar a fundo (não vale o que o pai ouviu na TV e te contou) o que o Brasil foi e o que é. Assim, não puderam canalizar corretamente sua revolta. O povo… o povo precisa de manifestação contra o patrão, corrupto, safado, facista e muquirana. Mas aí, meu camarada, pode ser seu pai, né?

  5. PARABÉNS A MPL SP PELA FIRMEZA E PELA CONDUÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES PACIFICAS QUE SE DESDOBRARAM PELO PAÍS, E A NÃO ACEITAÇÃO DA VIOLÊNCIA NOS CASOS ESPORÁDICOS OCORRIDOS. TUDO PELO ESTADO DE DIREITO!!!

    A grande questão é:

    – Como priorizar esse cipoal de problemas, todos eles de suma importância, e que transformaram o Brasil num Estado corrupto sob a pele da democracia, e são parte do programa de perpetuação no poder.

    Após a vitória nos preços das passagens, que obrigaram os governos a recuar nos aumentos de passagens por pressão popular, acredito que deve se ter uma pauta inicial mínima que deverá ser seguida até atingir-se os objetivos.

    SUGESTÃO

    1°- Pela votação da PEC 37 nessa semana e pela rejeição e arquivamento da proposta. EM ANDAMENTO

    2°- Boicote total as mídias que manipulam as verdades e que são as reais e maiores responsáveis pelo estado das coisas no País. Esse item é no meu entendimento o mais importante de todos e deverá incluir o boicote aos anunciantes principais: Petrobras, Ambev, fabricantes de autos etc… EM ANDAMENTO

    3°- Proibição dos espaços de propaganda política na mídia televisiva, jornais e rua.

    Somente depois de obter-se a vitória passar a uma 2a. etapa.

  6. Seria muito se o movimento fizese uma grande manifestação em Brasília contra a impunidade e mudanças rapidas no Código Penal Brasileiro, no que diz respeito a crimes hediondos (assassinatos, estupros, tráfico de drogas, assaltos, violencia contra a mulher etc.)Chega de impunidade neste país…

  7. Olá. Parabéns!!!

    O MPL está de parabéns, só com a organização popular e lutar até o fim, custe o que custar.

    Em 2006, participei de um bloco do MPL, na cidade de Cascavel/PR.

  8. CARTA DOS OUVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO AOS MANIFESTANTES

    Senhores e Senhoras destas pulsantes manifestações que fizeram acordar o gigante popular que há muito estava adormecido.
    Louvamos esta vivaz demonstração de disposição de participação na gestão pública, não apenas no que pertine ao orçamento e à eficiência de sua utilização, mas, sobretudo, pela disposição de afirmar que estamos amadurecidos em pautar uma política que seja, antes de tudo, uma ressonância dos anseios do povo.
    Como todos sabem, o Ministério Público é grande, forte e atuante graças às suas novas atribuições que lhe foram conferidas pelos constituintes ao darem vida à nossa Constituição Cidadã de 1988. Lá, fizeram construir um Ministério Público com atribuição para a defesa dos Direitos Fundamentais, da legalidade e da democracia, funções que honram a todos nós, razão pela qual nos empenhamos todos os dias para sermos dignos da missão que nos foi confiada.
    Como Ouvidores do Ministério Público, somos duplamente encarregados de sermos os defensores dos anseios populares, pois é através da manifestação de cada cidadão que fazemos observar a defesa dos Direitos, a observância da Lei e a punição dos criminosos. Desta forma, queremos nos solidarizar com cada manifestante que levantou sua voz para que ela definitivamente fosse ouvida. No entanto, se nos permitem e como cada um já concretamente demonstrou, é preciso que apontemos que os atos de vandalismo não refletem a legítima participação popular demonstrada em cada manifestação que floresceu em nosso país.
    Nós, Ouvidores, lutamos para que o Ministério Público não apenas tenha diuturnamente suas portas abertas para o cidadão, mas nos adiantamos para convidá-lo a entrar na casa do cidadão. Tanto é que estamos também em luta para que as Ouvidorias sejam fortalecidas, razão pela qual agradecemos a demonstração de apoio para que a participação popular seja uma regra em nosso país.
    Temos muita coisa em comum. Nós do Ministério Público também somos apartidários, mas igualmente não somos contra os partidos. Afinal, a democracia brasileira é representativa, e é através dos partidos que construímos nossa democracia quando elegemos nossos políticos. Assim, devemos ter o cuidado em não permitir que a política seja criminalizada, pois sem ela não haverá Direito, nem democracia, e sem eles nossas Instituições ruirão. Sem eles nosso Ministério Público se esvazia.
    Portanto, defendamos nossa política, apesar de sempre lutarmos por sua melhoria. Mas, para tal, imperiosa é nossa luta por participação popular, pois um povo só é soberano se sua voz for concretamente ouvida e seus anseios efetivados.
    Nossas vozes ecoarão e serão plenamente ouvidas.
    Lembremo-nos de Euclides da Cunha que, narrando o flagelo da guerra de Canudos, em Os Sertões, apontou que o nordestino era, antes de tudo, um forte. Mas, nessa densa afirmação, ousamos dizer que ele apontava que sua fortaleza estava na constante luta por uma vida melhor; que, mesmo apartado da justiça, redobrava forças para que ela fosse realizada; que, mesmo sem a presença do Estado e de suas Instituições, irresignado, perseverava para construí-los. Agora, vemos não apenas nordestinos, mas todos os brasileiros que, como um impávido colosso, reafirmam que o povo é o soberano na democracia e deve ser sempre ouvido.
    Defendamos nossa democracia; fortaleçamos o Direito na concretização dos direitos humanos fundamentais; defendamos nossas Instituições cobrando-lhes a concretização de suas finalidades constitucionais; defendamos nossa política e continuemos a exigir seu aperfeiçoamento, pois sem eles nossa vida social se apaga, e apenas a violência e o medo terão lugar.
    Somos duzentos milhões em ação, pra frente Brasil, louvemos nosso povo!
    Fortaleza, 20 de junho de 2013.

    José Valdo Silva
    Procurador de Justiça
    Ouvidor-Geral do Ministério Público do Ceará
    Presidente do Conselho Nacional de Ouvidores do Ministério Público dos
    Estados e da União

  9. Vocês são patéticos. Além da proposta estapafúrdia de passe livre, que só esquece de dizer quem vai pagar por essa estupidez, agora ficam nessa de sai das manifestações, depois volta, depois dizem ser “mal-interpretados”.

    Um movimento que se diz, mas obviamente não é, apartidário, não tem o direito de classificar quem quer que seja de conservador ou coisa parecida. E também precisa ficar claro que o movimento não é de vocês. Começou com a passeata pela redução das tarifas de ônibus, é fato, porém ganhou força com a postura arrogante e autoritária do governo de São Paulo, resultando na ação agressiva, para dizer o mínimo, da Polícia Militar, que é uma herança infeliz da ditadura. O povo se levantou por conta de uma postura altamente democrática, pelo direito de se manifestar e dizer o que pensa. Algo que nos países que muitos de vocês têm como modelo não é possível. Vocês jamais poderiam fazer o que fizeram na “maravilhosa Cuba”, de onde só há gente querendo sair e para onde ninguém quer se mudar, mesmo quem a idolatra, ou na Coreia do Norte. Dizer que a redução da maioridade penal é “conservadora” é esquecer que, por mais que o assunto seja altamente discutível, merece debate. Classificar os outros como conservadores e vocês como “progressistas”, quando defendem a implantação de um modelo econômico falido no mundo todo, é no mínimo curioso.

    Vocês não passam da vanguarda do atraso. São de dar pena. O MPL participar ou não das manifestações não faz a menor diferença. Ninguém vai dar bola. Vocês já tiveram seus quinze minutos de fama. Esse movimento é um movimento popular, que transcende essa causa ridícula de passe livre e que não os reconhece como líderes de coisa nenhuma. Ninguém lidera e nem tem agenda determinada, o que certamente é um problema e precisará mudar, caso se queira chegar a algum lugar, porém é muito melhor do que ter à frente gente como vocês, o PSOL, o PSTU e outras excrescências da nossa vida política.

    Vocês perderam o bonde da história há muito tempo e ainda não perceberam. Assim como as manifestações, a história vai atropelá-los, como fez na URSS, em Cuba e com todas as ditaduras, sejam as já mencionadas “de esquerda” ou as de direita, como a franquista, a fascista ou a nazista. O povo abomina quem defende ditaduras, sejam quais forem as intenções. Vocês não sabem se querem ou não participar do movimento popular? Não interessa. Vocês não sabem nada sobre o anseio de liberdade do povo brasileiro. São de dar pena.