Sobre a formação do Conselho Municipal de Transportes

Nota do MPL-SP sobre a formação de um Conselho Municipal de Transportes Em junho, tomamos as ruas de São Paulo e revogamos o aumento da tarifa, mostrando que o povo pode decidir os rumos do transporte. Os rumos da cidade. Em resposta às mobilizações, a prefeitura decretou a formação do Conselho Municipal de Transportes (CMT), como um espaço que garantiria a “participação popular e a gestão democrática do transporte”. Nada mais equivocado: a própria composição desse conselho e seu caráter consultivo já indicavam a contradição do discurso da prefeitura. Com maioria formada por representantes do empresariado e do poder público, não é possível garantir a participação popular. Isso, aliado ao caráter consultivo do Conselho, impede a gestão democrática: para se gerir é necessário ter o poder de decisão. A população deve decidir, não apenas ser consultada quanto à gestão do transporte público. As contradições do decreto do CMT foram evidenciadas por movimentos sociais e organizações, tanto no conselho da cidade quanto por nota. As fragilidades do decreto estavam tão expostas que o prefeito optou por instituir um Conselho temporário, que teria como função determinar a forma de funcionamento e a composição do CMT. O Movimento Passe Livre de São Paulo Continue lendo Sobre a formação do Conselho Municipal de Transportes