Ocupações do Grajaú protestam em frente à Prefeitura

Na manhã desta segunda-feira, cerca de 300 pessoas, moradores e apoiadores das ocupações Jardim da Luta e Recanto da Vitória, ambas situadas no distrito do Grajaú (no Jd. Gaivotas e no Jd. Lucélia), realizaram um protesto em frente à Prefeitura de São Paulo. Os manifestantes trancaram as entradas do Viaduto do Chá nos dois sentidos por cerca de 2 horas e escreveram palavras de ordem no asfalto: “Moradia já! Periferia luta!”. Em seguida, foi protocolado e lido um documento exigindo que os terrenos ocupados sejam destinados à moradia para atender a necessidade das famílias ocupantes. Essas ocupações surgiram no início de agosto, em uma onda na qual mais de 20 terrenos abandonados foram ocupados pela população no Grajaú, numa verdadeira resposta popular a vários anos de violentos despejos na região, que tiram as casas das famílias e geram um aumento no preço dos aluguéis. Milhares de pessoas agora vem tomando áreas até então vazias (que só servem para a especulação imobiliária) e construindo ali suas moradias. Sem nenhuma notícia na mídia, esse movimento “espontâneo” – assim chamado porque tem sido feito pelas próprias pessoas, de forma autônoma – mostra que o povo não depende de ninguém para resolver seus próprios problemas. Se em Junho Continue lendo Ocupações do Grajaú protestam em frente à Prefeitura

Transporte, saúde e cultura não são mercadoria! Informes dos atos da última semana

A luta por transporte público não acontece isolada: ela caminha junto de várias outras lutas, na retomada da cidade e resistindo à mercantilização de nossas vidas. Na última semana, o MPL esteve junto dos Metroviários na denúncia daqueles que lucram com nosso sufoco, mas também saiu às ruas com movimentos de saúde pública e de trabalhadores da cultura. Segue abaixo os informes dos atos: 14/08: Ato contra os desvios no metrô, por um transporte verdadeiramente público! No dia 14, mais de 2500 pessoas marcharam pelo centro da cidade para denunciar o cartel e o desvio de mais de 570 milhões reais de dinheiro público nos contratos das licitações do Metrô e da CPTM. Convocada inicialmente pelo Sindicato dos Metroviários, a passeata contou com apoio de diversos grupos, dentre eles o MPL. Estivemos juntos porque sabemos que só com a união da luta dos passageiros com a dos trabalhadores do transporte que poderemos conquistar um transporte verdadeiramente público, sem tarifa e sob controle popular. A manifestação se concentrou a partir das 15h no Vale do Anhangabaú, de onde seguimos pelas ruas do centro em direção à sede da Secretaria Estadual de Transportes. Lá chegando, foi colocado fogo em um boneco apoiado sobre uma Continue lendo Transporte, saúde e cultura não são mercadoria! Informes dos atos da última semana