Pela volta da linha 577T, moradores da Vila Gomes se mobilizam!

Em outubro de 2013, a SPTrans tirou de operação a linha 577T – Jd. Miriam / Vila Gomes que atendia a região do Butantã, ligando-a à Paulista e à zona sul. Esse corte de linha não é um caso isolado, mas parte de uma política de transporte que visa maximizar o lucro das empresas de ônibus. Com os cortes, somos obrigados a pegar dois ou mais ônibus e assim girar a catraca mais vezes, fazendo o empresário – que é recebe da prefeitura cada vez que alguém passa a catraca – ganhar mais dinheiro.

Em resposta, os moradores da Vila Gomes começaram a se organizar para reivindicar de volta o 577T – o “azulzinho” -, e fizeram abaixo-assinados e reuniões. Na próxima segunda-feira, 27/01, a comunidade convocou uma Audiência Pública no bairro. Acesse a página do movimento pela manutenção da linha 577T clicando aqui e assista um vídeo feito pelos moradores:

Contra os cortes de linha, a única saída é a organização e luta em cada bairro. Assim como os moradores do Jd. Santo André, em São Mateus, que se mobilizaram e conseguiram sua linha cortada de volta, os moradores da Vila Gomes podem fazer o mesmo. Por isso o MPL é solidário e apoia a mobilização da comunidade da Vila Gomes pela volta da linha 577T que lhes foi tirada!

Todo apoio à luta da Vila Gomes! Volta 577T!
Pelo fim da remuneração das empresas por passageiro!

Abaixo, texto escrito pelo movimento da Vila Gomes:

1o ATO PELO RETORNO DA LINHA 577T/10 JD. MIRIAM – VILA GOMES
UMA CIDADE MUDA NÃO MUDA!

Desde outubro de 2013, moradores da Vila Gomes estão mobilizados pelo retorno da linha 577T/10 Jd. Miriam / Vila Gomes. A partir de 26/10, o 577T parte do metrô Ana Rosa em direção ao Jd. Miriam. Para a população da zona oeste, a opção oferecida foi a linha 8018/10 Vila Sônia/ Vila Gomes, que definitivamente não atende a demanda da região.

Antes da decisão pela manifestação, foram organizados dois abaixo-assinados: o primeiro foi entregue ainda em outubro para a Subprefeitura Butantã, com cerca de 2 mil assinaturas. O segundo, encaminhado em janeiro para o Ministério Público, contou com quase 4 mil assinaturas. A iniciativa mais recente foi uma audiência pública para o debate do problema, ocorrida em 27/01. Além destas ações, foram realizadas várias reuniões na Praça Elis Regina para decidir os rumos do movimento. Apesar disso, não obtivemos nenhuma resposta efetiva do poder público. Muitos moradores enviaram reclamações com argumentos diferentes para a SPTrans, mas a resposta sempre foi a mesma: “os usuários do Butantã não ficaram desatendidos”. Será?

A redução do 577T teve muitas consequências negativas. Observe:

– Ausência de uma linha no Butantã que percorra o “Circuito dos Hospitais”. Entre a Vl. Gomes e o metrô Santa Cruz, existem pelo menos 15 unidades hospitalares. Em um setor censitário que possui a segunda maior concentração de idosos em toda a cidade de São Paulo, esta é uma consequência gravíssima;

– Fim de uma das melhores opções para fazer o trajeto entre Butantã e Av. Paulista, Vl. Mariana e proximidades;

– Lotação ainda maior de linhas como 715M/10 Lgo. da Pólvora, 8705/10 Anhangabaú e 8707/10 Term. Princesa Isabel, com viagens ainda mais demoradas. Quem sai ganhando nesta situação? Os empresários de ônibus, que ainda ganham por catraca girada;

– Lotação da linha 4-Amarela do metrô, que já está saturada. Para completar o pacote, viagens ainda mais caras para a população (-R$ 0,20 + R$ 1,65 = prejuízo para você!).

Quer o 577T de volta? Participe deste ato. A concentração começa às 17h, na Praça Elis Regina.

vl-gomes

Deixe uma resposta