‘As ruas não estão pedindo um novo salvador’

ESPECIAL PET FABIOLA REIPERT - SP

Transcrevemos abaixo a entrevista de um companheiro militante do MPL-SP ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada em 24 de agosto de 2014 (acesse no original clicando aqui), sobre as eleições:

“O Movimento Passe Livre foi o desencadeador e a principal referência das manifestações de junho de 2013, que acabaram refletindo o descontentamento da sociedade com políticos e instituições públicas. Destacado integrante do movimento, o professor Lucas Oliveira comenta a forma como os protestos estão refletidos agora no debate eleitoral.

Marina Silva tem sido apontada como a principal depositária das esperanças de mudanças que vieram dos protestos. Como vê isso?

O Movimento Passe Livre é apartidário. Em relação às eleições, o que fazemos é a análise das propostas na área de transporte. De maneira geral, a candidatura à Presidência da República tem pouca influência na questão do transporte municipal. Mas ele poderia encaminhar ações que levariam à tarifa zero, que é a nossa proposta. Nenhum dos três principais candidatos apoia isso, nem faz proposta no sentido de redução de tarifas – que foi o motivo inicial dos protestos em todo o País.

Qual candidato estaria mais próximo de ser o porta-voz do que as ruas disseram?

Nenhum. Bastar ver que nenhum estava na rua. Foi a população que saiu e conseguiu uma vitória histórica, que foi a redução de tarifas em várias cidades. Naquele momento, todos os grupos partidários foram obrigados a recuar perante a força dos manifestantes. PSDB, PSB, PT, PMDB, todos faziam parte de governos que aumentaram as tarifas e tiveram que voltar atrás.

Marina não estava nessas siglas.

Mas ela participa dos velhos esquemas de alianças partidárias. Hoje está no PSB, que fazia e continua fazendo parte do governo de São Paulo – um dos governos obrigados a recuar após os protestos. Neste ano o aumento das tarifas de transporte foi barrado pela Justiça em Belo Horizonte, cidade governada por Marcio Lacerda, do PSB, o partido que ela integra.

Você não vê novidade nessas alianças partidárias de agora?

Não. Continuam sendo alianças para ver como gerir o Estado e controlar a população. Os governos inicialmente tentam reprimir, depois procuram englobar as estruturas participativas e organizam milhões de reuniões que dificilmente encaminham as demandas populares. Por fim, se nenhuma das duas coisas dá certo e as manifestações permanecem, eles cedem.

As propostas de Marina de uma democracia mais direta não podem ser uma resposta?

É preciso deixar claro que as ruas não estavam pedindo por um novo salvador.

E quanto à ideia de melhorar as formas de ouvir a população?

O MPL não quer mais formas de ouvir a população. O que ele reivindica é a população decidindo diretamente. Se alguém ouve para depois executar, continua mantendo a população no papel de expectadora. O MPL defende a permanente mobilização das pessoas. Não acredita na via institucional, de cima para baixo. Se acreditássemos, estaríamos ajudando a construir alguma candidatura. E não estamos fazendo isso.”

3 Replies to “‘As ruas não estão pedindo um novo salvador’”

  1. A maioria das perguntas foi citando a marina para poder tirar umas “aspas” de um movimento popular em favor dela, e para deixá-la em destaque para o eleitor.Que absurdo! Estadão é nojento!Ainda bem que a mídia perdeu essas eleições!! +1 vez!

  2. Na opinião de voces tanto faz se o presidente eleito for Aecio ou Dilma, a liberdade, salários, empregos e oportunidades do cidadãos não ficam diferentes com uma ou outra posiçao politica no governo federal.
    O movimento passe livre não teria mais afinidade com o psol, ja que Luiza Erundina tentou implantar o passe livre quando foi prefeita de SP?

  3. Acompanhei todo o período das manifestações. Considero importante manifestações. Pena que esse movimento se não percebe que na vida tudo, desde do preço do pão a cultura, é politica. (Brech)

    Vejo que o retrocesso que hoje estamos vendo no país, se respalda tb nas manifestações que diz não ter lado.

    Que pena, o que poderia politiza, esclarecer contribuir pro Brasil fortalecer a democracia, serviu como uma luva pro reacionarismo vir dizer que ganhar o governo de direita e reacionário é atender o clamor de junho!

    No minimo vcs tem que ir as ruas e contribuir com o debate, dizendo o que significa essa ala facínora governar o país.

    A história vai dizer o quanto foram (in) responsais>

Deixe uma resposta