Aula pública no Anhangabaú: Tarifa Zero já!

AULA PÚBLICA-foto

Já começou a luta contra a tarifa e seus aumentos. Um dia antes de entrar em vigor a nova tarifa de R$3,50, decretada por Haddad e Alckmin, centenas de pessoas se reuniram para participar de uma aula pública sobre transportes no centro da cidade. O evento, marcado para em frente à Prefeitura, mudou para debaixo do Viaduto do Chá devido à chuva.

Esteve presente Lúcio Gregori, engenheiro que foi Secretário de Transportes de São Paulo no início dos anos 1990 e trabalhou, na época, na elaboração de um projeto de Tarifa Zero e municipalização dos ônibus da capital. A Tarifa Zero se mostrou perfeitamente viável do ponto de vista técnico e econômico, mas não foi implementada por falta de vontade político.

Também falaram na mesa militantes do Movimento Passe Livre e da Luta do Transporte no Extremo Sul, retomando que o projeto de gratuidade nos transportes para estudantes de baixa renda e escolas públicas anunciado por Haddad é uma resposta a anos de luta da população, mas apontando sua insuficiência e criticando o aumento da tarifa. O transporte só será público de verdade quando não houver catracas para ninguém.

R$ 3 é roubo, R$ 3,50 também. E só com a população trabalhadora tomando as ruas, se organizando para a luta em cada bairro da cidade, poderemos derrubar a tarifa e seus aumentos.

Sexta-feira, 09/01, às 17h, acontece o 1º Grande Ato Contra a Tarifa: https://www.facebook.com/events/333242993533459

TARIFA ZERO QUANDO? TARIFA ZERO JÁ!

7 Replies to “Aula pública no Anhangabaú: Tarifa Zero já!”

  1. Às 16:17 vejo da janela de um prédio uma cambada de policial armando a coação ao manifestantes. Em vez de estarem sob vigia policial os ladrões que roubam nosso dinheiro do metrô, trem, Petrobrás, o Estado corrupto brasileiro, e principalmente, no aqui e no agora, da cidade de São Paulo, busca inibir uma reinvindicação popular que tem se mostrado empecilho aos políticos e empresários corruptos.

    A Prefeitura, à época de junho de 2013, “sentou para negociar” com o movimento Passe Livre “numa boa”. A priori houve um acordo, tanto que voltaram atrás no aumento, não obstante o corrupto Alckmin teimar que não ia. Hoje, em período de férias, quando milhões de pessoas interessadas e atuantes nessa grave questão de transporte estão em descanso, fora de suas atividades cotidianas, os picaretas sem aviso prévio aumentam a tarifa, pensando que assim, diminuirá a força dos manifestantes, muitos deles estudantes, jogando na cara do povo que após já um tempo de aumento, quando os estudantes voltarem, irão se acomodar, já que estaria longe do calor do ato do aumento.

    Vamos todos comparecer à manifestação! E venceremos!

  2. Pessoal,

    Muito legal essa atitude do MPL, realmente é um absurdo a tarifa, mas e o resto ? E os R$ Bilhoes que nos roubaram e continuam roubando? Se o Problema do nosso país fosse apenas a tarifa do transporte até que eu estaria feliz…esse nosso governo é uma VERGONHA…

  3. TEM QUE PROTESTAR MESMO! 3,50 É UM VERDADEIRO HORRRRRRRRORRRRRRRRRRRRRRR!
    UM VERDADEIRO ASSALTO À POPULACAO!

  4. Quero manifestar minha indignação com o reajuste das tarifas de ônibus, moro em Diadema um município com uma população pobre e estamos pagando o valor de R$ 3,50 ou até 3,70 por um transporte de péssima qualidade oferecidos por empresas que sobretudo remuneram muitíssimo mal aos seus funcionários e parecem ter todo apoio da prefeitura que não se comove com as condições humilhantes que passamos ao utilizar o transporte público inclusive muito caro.
    Este reajuste causou um impacto ainda pior no bolso do trabalhador, portanto ressalto que o movimento de vc é muito valido e importante, não deve de forma nenhuma parar.
    Espero que o movimento continue atuante e não ceda ás tentativas de cooptação por parte do Estado
    OBS: Acompanho as ações que organizam e aguardo novas oportunidades para ir paras as ruas fazer coro, acredito que a atual conjuntura pede uma ação e esperamos um chamado.
    Márcia

  5. Estou dentro! JÁ CHEGA!!!! Classe C, D e E, vamos nos levantar, ir para as ruas, protestar contra tudo e todos que estão tirando descaradamente uma vida digna para nós. Não dá pra aceitar que nada mais aumente nessa cidade de SP, caso contrário, ficará cada vez mais próximo o dia em que apenas habitarão aqui classe A e B, ninguém mais. O custo de vida em SP está chegando ao cume.
    Ou brigamos ou nos contentaremos com uma vida medíocre onde só se trabalha para poder pagar contas literalmente.

  6. O movimento em questão tem o meu apoio.

    Não obstante, acho viável, toda vez que um magistrado apenar o Estado, que seja na pessoa do titular (Prefeito; Governador e Presidente).

    O cidadão já está condenado à impostos, enquanto que os responsáveis se safam, deixando a carga a nós mesmos.

    Quero ainda, ver um legislador que apoiará esta ideia.

Deixe uma resposta