7º Grande Ato celebra casamento amaldiçoado entre empresários de transporte e Prefeitura

 

7_ato1

Sob intensa chuva, a concentração para o 7º Grande Ato Contra a Tarifa teve início às 17h desta sexta-feira, em frente ao prédio da Prefeitura do Município de São Paulo. Conforme se aglomeravam os manifestantes, foi feita uma assembleia para definir o trajeto, e por votação ficou estabelecido que o ato marcharia até o Terminal Parque Dom Pedro II.

7_ato6

Em seguida, antes da marcha sair, ainda em frente à Prefeitura cercada por fileiras de Policiais Militares, ocorreu a cerimônia do casamento entre o governo municipal e os empresários de transporte – um velho romance, que teve como declaração de amor o aumento da tarifa dos ônibus para R$3,50. Ali, ao som dos metais da Fanfarra do MAL, o Padre Júlio Lancelloti, da Pastoral da Rua, celebrou essa união macabra entre Haddad e a catraca: “O casamento entre prefeitura e a catraca é uma união contra os mais pobres, não é uma união que deve ser abençoada”, anunciou.

7_ato9

A marcha saiu ainda sob a garoa, passando em frente à Secretaria de Segurança Pública, a Pça. da Sé e se encerrando em frente ao Terminal, que foi totalmente bloqueado pela PM. Conforme o ato seguia, trabalhadores aderiam à marcha, que chegou a reunir mil pessoas. Ali a catraca teve sua lua-de-mel frustrada, e foi queimada pelos manifestantes. Apesar das usuais provocações da polícia, e da tentativa de detenção arbitrária de manifestantes, o ato transcorreu tranquilamente do início ao fim.

7_ato2 7_ato3 7_ato4  7_ato8  7_ato91 7_ato92

R$3,50 NÃO! TARIFA ZERO JÁ!

7 Replies to “7º Grande Ato celebra casamento amaldiçoado entre empresários de transporte e Prefeitura”

  1. Todas estas pessoas que estão defendendo a atual gestão de transportes, defendem sem conhecimento de causa:
    Vocês sabiam que os seccionamentos das linhas de ônibus estruturais e intersetoriais tem apenas um único objetivo de beneficiar a economia das operadoras sobretudo as cooperativas do sublocal aliadas do PT?
    As mudanças bruscas nas linhas de ônibus, a criação de corredores exclusivos de ônibus em locais onde tecnicamente é inviavel se criar, tudo isso, tem como objetivo forçar as pessoas a deixarem de usar o carro e usar ônibus. Tá, você que aceita lógicas superficiais vai achar isso certo.
    Mas pense mais profundamente de modo democrático:
    Onde que na legislação brasileira, diz que as pessoas tem de ser desencorajadas de usar carro para sua locomoção? Faz o contrário, o que a prefeitura petista está fazendo, na constituição diz claro que é proibido criar limitações de tráfego entre bens e pessoas através de tributos ou qualquer forma física de limitação em todo territorio nacional.
    Seccionar linhas e tirar sobreposições: Onde isso é moderno?
    Me digam em que metrópole européia se seccionam e alteram linhas de ônibus às tortas e direitas? Lá as linhas duram 50, 60, 100 anos e são apenas modernizados seus trajetos ao longo do tempo, mas NUNCA são desativadas, sabem por que? Porque as linhas de ônibus são referência de orientação para as pessoas chegarem a determinado lugar. Se um turista que depois de 15 anos volta a São Paulo, ele se perde porque todas aquelas linhas que ele conhecia foram seccionadas e outra desativadas. A chance deste se perder é muito grande. E quantos aqui em São Paulo que moram aqui se perdem até hoje porque tal linha foi desativada ou seccionada?
    As desativações de linhas estruturais e a troncalização só servem pra forçar as pessoas a fazerem transbordos e com isso todos as operadoras de transporte da capital ganham com isso.
    E você ganha alguma coisa em subir e descer de ônibus num trajeto que antes você ia direto?
    O Prefeito e o Secretário de Transportes disseram em entrevista que vão acabar com as cooperativas pra poder evitar que laranjas lavem dinheiro do crime organizado no transporte… Você acredita nisso?
    Se acredita, venha até a periferia da Zona Leste e você verá que todas estas cooperativas estão mudando de nome, virando “empresas de ônibus”, porém operando economicamente em sistema de cooperativa, e estão ganhando contratos emergenciais da Prefeitura de São Paulo e da SMT.
    Sabem por que?
    Por que os donos de frota desses mini ônibus das cooperativas (que agora virarão “empresas”) são políticos do PT e gente ligada ao crime organizado! colocam seus veículos em nome dos futuros “sócios” e livres do passado “sujo” de cooperativa, continuarão impunes no sistema de transportes.
    Outra fato pra todo paulistano se atentar:
    Em bairros onde são redutos de eleitores petistas, AS LINHAS DE ÔNIBUS ESTRUTURAIS NÃO FORAM SECCIONADAS!
    Apenas em locais onde as pessoas denunciam e não concordam com este atual sistema de transporte, que a SPTrans e a SMT desativaram e seccionaram linhas!
    Convido-vos a ir até o Inácio Monteiro, um reduto petista; lá tem uma linha longa, antiga e com um itinerário sem pé nem cabeça que não foi seccionada, se chamava 3407-10 e apenas foi renumerada pra 4314-10.
    Agora te convido a ir ao Conjunto José Bonifácio: Lá as pessoas lutaram pra ter uma linha que ligasse o bairro ao centro direto pela Radial Leste e conseguiram na base de abaixo-assinados que a SPTrans alterasse o itinerário longo e ilógico da 3124-10 e criasse também a linha 4301-10, pois este bairro tem dimensões de cidade. Como isso tirou a demanda das linhas das cooperativas petistas, e porque as associações de bairro de lá denunciam abusos no transporte coletivo, assim que o Haddad assumiu a prefeitura, eles começaram indiscriminadamente a desativar linhas estruturais deste bairro, seccionaram a linha 3124-10 e desativaram a linha 4301-10. Perceberam a diferença?
    As faixas exclusivas de ônibus criadas indiscriminadamente por esta gestão municipal, da forma como foram feitas e legisladas, não só prejudicam os motoristas particulares de carro:
    Prejudica toda a economia do BRASIL, porque nas vias arteriais dessa cidade como a Jacu-Pêssego durante quase o dia todo se tem um congestionamento de caminhões, estes que impulsionam a economia do país.
    Então quem será que está sendo egoísta?
    Você que apoia o uso exclusivo do transporte público em detrimento de outros modais de transporte, baseado numa lógica manipulada por políticos e empresários de ônibus, ou as pessoas que querem simplesmente ter sua liberdade respeitada e seu direito de ir e vir respeitado?
    Um ônibus compreende a capacidade de passageiros de vários carros, tudo bem, mas será que existem linhas de ônibus em todos os locais da cidade?
    Quantas vezes voce já ouviu de secretarios de transporte dando entrevista dizendo que o povo quer “onibus na porta de casa”? Será que não tem direito a isso?
    E quando se desativa aquela linha de ônibus que você usava
    e agora tem de pegar 3 LINHAS pra chegar num lugar onde você chegava com uma linha apenas?
    Pense e não aceite lógica superficial.
    Argumentações técnicas podem ser manipuladas para se criar uma lógica, a lógica pode ser manipulada de acordo com um interesse.
    Pense cidadão!

  2. Parou? Por que parou? Parou por que? As tarifa continua, a máfia dos transportes continuam lucrando como nunca, e tem até tubarão do transporte com conta secreta no exterior. Então parou por que? Está na hora de mudar de tática, o MPL tem que deixar de ser anarco-sindicaleiro e buscar apoio de outros movimentos sociais, partidos,sindicatos e outras organizações dos trabalhadores, de enfrentar estes governos que atacam cada vez mais as condições de vida da população.

  3. Olá. Por favor, sabem dizer se o 7o. ato eh o ultimo ato ou continuaremos as manifestações no centro? Por favor nos informem a situação. Grata.

  4. Sinto que estamos perdendo forças, mas não podemos parar. Assim como em 2013, devemos popularizar nosso movimento via internet. Utilizar Facebook, WhatsApp e outros para abrir os olhos de quem está iludido com o “Passe livre para estudantes”.

    O POVO UNIDO SEM SIGLA DE PARTIDO !

  5. Prezados, vamos trabalhar para que nos próximos atos tenha cada vez mais “pressão popular”! Convocar a população com diálogos e tentar convencer a fazer pressão até revogar! Fazer os percursos que surtam melhores efeitos, igual o 6º ato (na frente do prédio do prefeito, minha opinião). Cada ato encher mais e mais pessoas na rua! Espero que não desanimem a esta altura!

  6. As manifestações se enfraquecem a cada ato, o número de manifestantes diminui e quase não há repercussão na imprensa. As marchas simultâneas convocadas para o dia 20, em defesa do impedimento da presidenta, possivelmente reunirão um número maior de manifestantes e, certamente, terão repercussão nacional.
    Se houver mais dois ou três atos como o de sexta-feira, não se conseguirá reunir um milhar de pessoas na rua daqui por diante.
    Na tentativa de alterar o cenário, pode-se alterar o itinerário da próxima marcha, deslocando-a para uma região mais importante, que lhe garanta maior visibilidade. As organizações políticas que têm participado do ato podem se contatar, discutir um novo ato combinado, com trajeto definido antecipadamente, garantindo visibilidade e extensão ao movimento, apostando na ampla mobilização da militância de cada uma das organizações.
    Proponho que iniciemos esta campanha de um ato único dentro das organizações sociais.

  7. Eu nao entendi bem. Nao estou vendo mais nenhum ato marcado. Isso significa que como supostamente nao tera revogacao das passagens dos transportes publicos, desistiram das manifestacoes? E eh por isso que no setimo ato sacrementou o “casamento” entre o prefeito e a catraca? Pois nao tem jeito mesmo? Sera que foi isso que entendi?