Passe Livre SP Mulheres: 2) A cidade do carro, uma cidade machista

Quem nunca ouviu “piadas” sobre mulheres dirigindo?  A ideia de que carro é coisa de homem é muito forte e constante no nosso dia-a-dia. A associação entre o homem (e a masculinidade) e o carro está ligada a uma desigualdade de gênero nas possibilidades de transporte e mobilidade. Ainda vivemos uma diferença de salários e de trabalho entre homens e mulheres. Isso faz com que, principalmente nas famílias em que o homem tem o papel de “provedor” do dinheiro, seja ele quem pode comprar e dirigir o carro. Esse meio de transporte – individual e privado – é o mesmo que vemos sendo priorizado nas políticas do Estado. O transporte “público”, por outro lado, no qual as mulheres são maioria, sofre cortes, tem o uso do espaço restrito, uma tarifa cada vez mais cara, com as condições de lotação e desconforto que já conhecemos (1). Frente a essas desigualdades, a sociedade não pode tratar o deslocamento e o acesso à cidade como um problema individual. Sabemos muito bem quem são os indivíduos que conseguem transitar nessas condições e sabemos que as mulheres, principalmente negras e periféricas, são as mais prejudicadas pela cidade do carro. Este modelo de cidade é vinculado Continue lendo Passe Livre SP Mulheres: 2) A cidade do carro, uma cidade machista

Passe Livre SP Mulheres: 1) As catracas invisíveis que nos dividem

Entendemos que para manter o lucro e o poder de quem é de cima é essencial que catracas – visíveis e invisíveis – dividam quem é de baixo. Entendemos também que para superar essas divisões, estruturais e profundas, precisamos antes de mais nada reconhecer sua existência. O machismo, por exemplo, é uma dessas catracas invisíveis que impedem a nossa união. Basta vermos que, em todas as esferas da vida, as mulheres são constrangidas a cumprir trabalhos e funções que não são remuneradas e, ao mesmo tempo, são desvalorizadas como, por exemplo, o trabalho doméstico e o materno. Para isso, são cotidianamente silenciadas e violentadas de diferentes maneiras. Infelizmente, isso não é diferente no transporte “público” e também não é diferente nos espaços de luta, como os movimentos sociais. Para enfrentar essa realidade, acreditamos que a luta contra o machismo caminha conjuntamente, e não de forma secundária, com a luta por um transporte verdadeiramente público. Também acreditamos que a horizontalidade é a melhor maneira de nos organizarmos nessa luta anticapitalista. Para isso, os espaços auto-organizados das mulheres são momentos importantes para a construção da horizontalidade e solidariedade dentro e fora dos movimentos, já que vivemos em uma sociedade extremamente desigual e Continue lendo Passe Livre SP Mulheres: 1) As catracas invisíveis que nos dividem