Semana de Linhas Populares no Extremo Sul: dias 13, 14 e 15 de maio

Após protesto em aula do Haddad, moradores do Extremo Sul organizam três dias de “linhas populares” de ônibus Para denunciar a total inexistência de transporte público na região, moradores do Extremo Sul da capital paulista irão organizar, nos dias 13, 14 e 15 de maio, “linhas populares” de ônibus em seus bairros. Com o dinheiro arrecadado em eventos nas comunidades, um veículo irá circular gratuitamente (ou melhor, com Tarifa Zero) nos trajetos onde hoje são obrigados a percorrer a pé.Em abril, um grupo de dezenas de moradores interromperam uma aula do prefeito Fernando Haddad na USP para exigir a implementação das linhas de ônibus. No dia, Haddad se comprometeu a participar de uma reunião na Subprefeitura de Parelheiros para resolver o problema no dia 16 ou 23 de maio (veja a gravação abaixo ou aqui). Até o momento, porém, os moradores não receberam nenhuma confirmação de data.Após anos de reivindicação, parte das linhas já foram aprovadas pela SPTrans e pelo Meio Ambiente, mas não saíram do papel por falta de vontade política. Em 2014, moradores do Marsilac chegaram a organizar também um dia de “linha popular” e a se acorrentar no saguão da Prefeitura em protesto. Sem respostas, os bairros voltam Continue lendo Semana de Linhas Populares no Extremo Sul: dias 13, 14 e 15 de maio

Moradores de Parelheiros interrompem aula de Haddad para exigir ônibus

Neste momento, um grupo de moradores de Parelheiros interrompe uma aula ministrada por Fernando Haddad na pós-graduação das Ciências Sociais da USP para exigir que o prefeito se comprometa com a criação urgente de linhas de ônibus em seus bairros no extremo sul da capital. Sem qualquer serviço de transporte, hoje moradores da Barragem, Marsilac, Bosque do Sol e Juza são forçados a percorrer quilômetros a pé para pegar ônibus diariamente. Há anos a população luta pela criação de linhas – em 2014, chegaram a organizar uma “linha popular” por um dia e se acorrentar no saguão da prefeitura como forma de protesto. Até o momento, a única resposta do poder público à reivindicação das comunidades tem sido a enrolação sistemática. Algumas das linhas já foram até aprovadas pela SPTrans (e, onde necessário, pela Secretaria do Verde), nada saiu do papel. Cansados da humilhação promovida pelo poder público, os moradores atravessaram São Paulo para tratar diretamente com o prefeito em sua aula sobre “direito à cidade”. Eles exigem que Haddad se comprometa em resolver a pauta e agende uma reunião com todos os secretários responsáveis pessoalmente. Acompanhe ao vivo: https://www.facebook.com/LutaTransporteExtremoSul Linhas reivindicadas: Pq. Oriente (via Est. do Juza e Bosque do Continue lendo Moradores de Parelheiros interrompem aula de Haddad para exigir ônibus

NOTA DAS MULHERES DO MOVIMENTO PASSE LIVRE A RESPEITO DO ESTUPRO NO METRÔ REPÚBLICA

“Não se consumou o roubo do cofre. É importante que isso seja colocado para mostrar que há segurança onde se guarda os valores no Metrô”,afirmou o secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes. Nas ultimas semanas os jornais noticiaram que uma mulher foi estuprada em um dos pontos mais movimentados da cidade de São Paulo. A garota de dezoito anos trabalhava em uma cabine de recarregamento de bilhetes de transporte na estação República do Metrô e estava saindo do trabalho. Nesta estação circulam centenas de pessoas que embarcam diariamente em duas das linhas mais movimentadas da cidade. Os valores da tarifa que excluem milhares de pessoas do acesso à cidade estavam protegidas. As trabalhadoras, não. O estupro aconteceu no dia 02 de abril, mas foi noticiado nos jornais apenas no dia 06, depois da denúncia de outrxs trabalhadorxs, que afirmam que o Metrô tentou abafar o caso. O absurdo de uma mulher ser estuprada dentro de seu espaço de trabalho, teoricamente seguro, já é o suficiente para evidenciar o quanto nossa sociedade oprime a mulher: a cultura do estupro e do medo, a falta de segurança no espaço de trabalho, a falta de distinção entre o corpo privado e Continue lendo NOTA DAS MULHERES DO MOVIMENTO PASSE LIVRE A RESPEITO DO ESTUPRO NO METRÔ REPÚBLICA

Noroeste em Movimento: os R$3,50 também vem dos cartéis do trem e do Metrô

NÃO ESQUECEMOS: OS 3,50 TAMBÉM VEM DOS CARTÉIS DO TREM E METRÔ Toda vez que tem aumento da tarifa, prefeitos e governadores dizem que o aumento é inevitável, que é abaixo da inflação e que se não tiver aumento terão que tirar dinheiro da educação e da saúde. É verdade que o Geraldo Alckmin não se preocupa muito em dar alguma justificativa. Afinal, por que alguém que nega que há racionamento de água na cidade de São Paulo, quando todo mundo está vendo sair ar da torneira, vai se preocupar em justificar aumento da tarifa nos trens da CPTM e do Metrô? Além das tarifas do transporte coletivo em SP estarem entre as mais caras do planeta, todo mundo que pega trem da CPTM e do Metrô em São Paulo sente na pele o que é humilhação e o descaso do governo do Estado. Trens superlotados, acidentes, falhas e atrasos diários! Esse é o dia a dia das pessoas que precisam dos trens para se locomover. Mas falemos de valores. Caso o Alckmin achasse que a população merece alguma justificativa, como explicaria para nós as denúncias que mostram que boa parte da absurda tarifa que pagamos serve de propina para Continue lendo Noroeste em Movimento: os R$3,50 também vem dos cartéis do trem e do Metrô

20 mil pessoas tomam as ruas no 2º Grande Ato Contra a Tarifa! R$3,50 é roubo!

Na última sexta-feira, mais de 20 mil pessoas tomaram as ruas do centro da cidade para dizer novamente NÃO ao aumento das tarifas de ônibus, trens e metrôs para R$3,50. Apesar da chuva e do imenso contingente policial para amedrontar a população, os manifestantes se concentraram na Pça. do Ciclista, na av. Paulista, onde ocorreu uma assembleia aberta para definir o trajeto da marcha. Diferentes pessoas tomaram a palavra no microfone para fazer suas propostas. Afinal, ficou decidido descer a rua da Consolação em direção a Prefeitura, para depois concluir o ato em frente à Secretaria de Transportes Metropolitanos. Chegando na Prefeitura, manifestantes estenderam um bandeirão no Viaduto do Chá contra a tarifa R$3,50 e fizeram uma projeção sobre a fachada do prédio. Em seguida, foi feito um jogral chamando a continuidade do ato em direção à Secretaria. Mas a Polícia Militar, que bloqueava o caminho e já cercava a marcha no Viaduto, impediu a sequência do ato e iniciou uma brutal repressão, atacando violentamente todos os manifestantes que ali estavam pacificamente com bombas de gás, de estilhaço mutilante (chamadas de “efeito moral”, mas que podem matar) e balas de borracha. Inúmeros manifestantes ficaram feridos, e outros tantos presos. Moradores Continue lendo 20 mil pessoas tomam as ruas no 2º Grande Ato Contra a Tarifa! R$3,50 é roubo!