Nota de Apoio do MPL – SP à luta dos Garis do Rio de Janeiro

Em fevereiro de 2014, os companheiros garis do Rio de Janeiro iniciaram uma greve histórica, exigindo seus direitos frente a Companhia Municipal de Limpeza Urbana – COMLURB. Além do descaso da Empresa, os companheiros contavam com mais um obstáculo: um sindicato burocrata e completamente cooptado pelos gerentes e patrões, que fazia de tudo para conter a indignação dos trabalhadores e trabalhadoras. Dessa forma, os Garis romperam com a burocracia sindical e foram às ruas peitar a Prefeitura e mostrar pro Rio de Janeiro e pro Brasil que a luta do povo é de baixo pra cima, é nóis por nóis! Esta greve foi histórica tanto pela suas formas de organização (autônoma, sem partidos e horizontal) quanto pelas suas ações: foram dias de greve e protestos em meio ao Carnaval, e o lixo se acumulava cada dia mais, mostrando na prática a importância fundamental do seu trabalho! Sem os garis o Rio de Janeiro NÃO continua lindo. Aproximadamente um ano depois, a COMLURB tem a cara de pau de não cumprir os acordos realizados em 2014. Dentre os vários absurdos, a empresa está descumprindo o pagamento do décimo quarto salário para aquelxs que alcançam as metas de trabalho, chegando inclusive a excluir Continue lendo Nota de Apoio do MPL – SP à luta dos Garis do Rio de Janeiro

Bilhete único agora é carteirinha da UNE?

As regras impostas pela Prefeitura de São Paulo para o uso do bilhete único tem sido uma catraca a mais na vida dos milhares de estudantes que utilizam o transporte público diariamente. No início do ano, foram inúmeros os problemas que os estudantes tiveram para adquirirem as cotas de passagem gratuita, para além das filas intermináveis. São muitos os relatos de estudantes que não conseguiram até hoje o passe estudantil ao qual têm direito, ainda que se encaixem nos critérios estabelecidos. Agora, sem qualquer motivo justificável ou contato com a população, o direito de pagar meia passagem e o benefício das cotas tem sido negado. Isso simplesmente porque a Prefeitura resolveu trocar todos os bilhetes estudantis fornecidos pela SPtrans por carteirinhas da UNE/UEE/UMES! Quem tem sabe: enquanto não chega a carteirinha, os créditos dos bilhetes únicos de estudante ficam bloqueados para novos carregamentos, e os estudantes são obrigados a pagar uma tarifa inteira! O prefeito Haddad em um só ato obriga os estudantes a pagarem inteiramente a tarifa, enquanto esperam a nova carteirinha, e a se filiarem a uma entidade estudantil! Além disso, com o bilhete único sendo uma carteirinha de estudante anual, todo ano os estudantes terão que se Continue lendo Bilhete único agora é carteirinha da UNE?

NOTA DAS MULHERES DO MOVIMENTO PASSE LIVRE A RESPEITO DO ESTUPRO NO METRÔ REPÚBLICA

“Não se consumou o roubo do cofre. É importante que isso seja colocado para mostrar que há segurança onde se guarda os valores no Metrô”,afirmou o secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes. Nas ultimas semanas os jornais noticiaram que uma mulher foi estuprada em um dos pontos mais movimentados da cidade de São Paulo. A garota de dezoito anos trabalhava em uma cabine de recarregamento de bilhetes de transporte na estação República do Metrô e estava saindo do trabalho. Nesta estação circulam centenas de pessoas que embarcam diariamente em duas das linhas mais movimentadas da cidade. Os valores da tarifa que excluem milhares de pessoas do acesso à cidade estavam protegidas. As trabalhadoras, não. O estupro aconteceu no dia 02 de abril, mas foi noticiado nos jornais apenas no dia 06, depois da denúncia de outrxs trabalhadorxs, que afirmam que o Metrô tentou abafar o caso. O absurdo de uma mulher ser estuprada dentro de seu espaço de trabalho, teoricamente seguro, já é o suficiente para evidenciar o quanto nossa sociedade oprime a mulher: a cultura do estupro e do medo, a falta de segurança no espaço de trabalho, a falta de distinção entre o corpo privado e Continue lendo NOTA DAS MULHERES DO MOVIMENTO PASSE LIVRE A RESPEITO DO ESTUPRO NO METRÔ REPÚBLICA

Denúncia da atuação da midia nos protestos contra a tarifa

As imagens amplamente divulgadas pelos veículos da grande mídia no protesto da última sexta feira dia 9 não correspondem à veracidade dos fatos. São imagens que expõem as vidraças quebradas de agências bancárias e os sacos de lixo queimados. Não concordamos com a postura de alguns manifestantes, mas não é função do MPL identificar, julgar ou criminalizar quem está nas ruas, protestando contra a violência diária do transporte e suas tarifas. Buscamos fazer um ato pacífico, com começo, meio e fim. Por este motivo decidimos o trajeto do ato de forma democrática e horizontal, através de assembleia. No entanto, não aceitamos também a omissão da grande mídia que não divulga as covardes sessões de tortura a céu aberto promovidas pela PM a qual, em mais de um momento, cercou manifestantes desarmados e isolados espancando-os coletivamente sem qualquer justificativa e sem que esses manifestantes representassem qualquer ameaça. Responsibilizamos também o Comando da PM e a Secretaria de Segurança Pública que parecem concordar com esse tipo de prática realizada pela corporação cujo resultado todos nós conhecemos. Não por acaso, quase todos os manifestantes presos ilegalmente para averiguação foram soltos sem qualquer acusação. Além disso, a ação de bombardear 30 mil pessoas com Continue lendo Denúncia da atuação da midia nos protestos contra a tarifa

Nota sobre a articulação da prefeitura com setores que não respondem pela população em luta

    Na sexta-feira passada, dia 9, 30 mil pessoas foram às ruas contra o aumento nas tarifas de ônibus, metrô e trens. De lá para cá foram dezenas de atividades e assembleias nos bairros da periferia, como Extremo Sul, no Mboi Mirim, no Campo Limpo, e em São Mateus preparando uma nova manifestação contra a tarifa que acontecerá hoje às 17h no centro da cidade. 30 mil pessoas que se organizaram de forma independente para reivindicar uma medida legítima e necessária para a imensa maioria da população: que o aumento seja revogado e que o transporte seja visto como um direito, não uma mercadoria. A resposta da prefeitura foi chamar o Movimento Passe Livre de intolerante, aproximando-o aos atos terroristas de Paris; o secretário de Transportes desqualificando o movimento, como se fossemos “coxinhas”, e ambos se esconderem atrás da repressão da polícia controlada pelo governador Geraldo Alckmin. Pior: segundo grave denúncia feita pelo jornal El País, Haddad articulou uma manobra lamentável para tentar acabar com a luta da população de São Paulo, convocando grupos da base aliada do governo que já não representam ninguém (se conseguem convocar 50 pessoas é muito), para um teatro em que estes grupos exigiriam Continue lendo Nota sobre a articulação da prefeitura com setores que não respondem pela população em luta