Nota em resposta à declaração de Lula sobre a revolta popular de 2013

Nós, do Movimento Passe Livre de São Paulo, lamentamos a forma desrespeitosa com que o ex-presidente trata as centenas de milhares de pessoas que saíram as ruas em 2013 – entre as quais certamente estavam muitas das que o elegeram. Infelizmente, na narrativa construída por Lula, a luta por um transporte verdadeiramente público é simplesmente apagada. Ao comparar a onda de protestos que aconteceu aqui àquelas que têm tomado diversos países da América Latina, ele afirma que a diferença é que no Brasil não fomos às ruas para lutar por direitos e não tínhamos reivindicações específicas. Nada poderia ser mais distante da realidade. Todas as manifestações que organizamos tinham um objetivo claro: fazer com que o aumento na tarifa dos transportes fosse revogado. Desde que o Movimento Passe Livre existe (ele foi fundado em 2005), toda vez que o preço das passagens de ônibus, trens e metrôs sobem, organizamos manifestações. Aliás, é importante lembrar que as lutas contra o preço das passagens acontecem desde que existe a tarifa. E que a luta para garantir que toda a população possa circular e acessar todas as infrestruturas da cidade é a luta que, hoje e sempre, virá dxs de baixo, dxs periféricxs, Continue lendo Nota em resposta à declaração de Lula sobre a revolta popular de 2013

R$4,40 não dá!

Mesmo com a crise e o desemprego, os playboys Doria e Covas anunciaram mais um aumento: 10 centavos na tarifa, 17centavos na integração. Eles dizem que foi abaixo da inflação… mas se os aumentos seguissem sempre a inflação, hoje a tarifa teria que ser reduzida, não subir ainda mais… E como o transporte é um direito, a tarifa nem deveria existir. Eles ainda dizem que não aumentaram mais, porque terão menos “gastos” em 2020. Mas isso é porque querem cortar centenas de linhas e reduzir ainda mais a frota de ônibus! Sem falar que, no ano passado, pioraram muito nosso sufoco no transporte:– corte na integração do vale-transporte;– redução da frota de ônibus;– mais bloqueios e limitações no bilhete único;– negação do passe pra cursinhos populares…­ >>>NÃO VAMOS PAGAR MAIS PRA CIRCULAR MENOS! Bora todo mundo se organizar e lutar. Só assim podemos conquistar nossos direitos e uma vida melhor pra geral. >>>NÃO PAGUE TARIFA. E BORA PRA MANIFESTAÇÃO! >>>PRIMEIRA MANIFESTAÇÃO CONTRA O AUMENTO~quando?7.01.2020, terçaconcentração a partir das 17hsaída 18h~onde? na frente da Prefeitura #4e40NãoDá#CatraqueNãoPague.>>> Quer saber mais informações? Quer somar na luta com nois? Entre em contato com a gente: saopaulo.mpl.org.brfacebook.com/passelivresptwitter.com/passelivrespinstagram.com/passelivresppasselivresp@gmail.com

NOTA SOBRE OS CORTES NO VALE-TRANSPORTE: VAI TER VOLTA!

Tem sido muitos os ataques dos de cima aos de baixo e no transporte não tem sido diferente. Só neste ano, além do aumento de 30 centavos nas tarifas de trem, metrô e ônibus, das limitações no bilhete único e dos investimentos ostensivos em privatização e militarização no transporte, que deveria ser público, o Prefeito Bruno Covas (com apoio do Governador João Dória) ainda aplicou cortes ao Vale-Transporte, um direito constitucional conquistado a partir das lutas sociais e sindicais dos anos 70 e 80.O decreto de Bruno Covas determinou a diminuição do número de integrações (de 4 para apenas 2 viagens em 3 horas) e a retirada do subsídio da Prefeitura, implicando um aumento de R$4,00 para R$4,57 na tarifa do VT. O corte na integração do Vale-Transporte representa uma maior exclusão social de trabalhadores(as) periféricos(as), que dependem de integrações para se deslocar diariamente da periferia ao centro, da casa para o trabalho. E a cobrança desigual da tarifa do VT, sem subsídio municipal, não significa uma maior taxação do setor produtivo, mas sim uma estratégia orçamentária para manter um sistema de transporte mercantilizado: retirar o subsídio do Vale-Transporte, para manter o lucro das empresas de transporte sempre aumentando. O Continue lendo NOTA SOBRE OS CORTES NO VALE-TRANSPORTE: VAI TER VOLTA!

NOTA DE APOIO – TODO A FORÇA À LUTA CONTRA OS CORTES NA EDUCAÇÃO!

O Movimento Passe Livre é um movimento social que luta por um transporte público de verdade, ou seja, que funcione de acordo com os interesses da população que usa e trabalha nele. O transporte é fundamental pra que a gente possa acessar todos os lugares que frequentamos ou gostaríamos de frequentar no dia a dia. Por isso, dizemos que enquanto ele não funcionar como um DIREITO, ou seja, enquanto não for GRATUITO, nenhum outro direito está garantido, porque só quem tiver o dinheiro pra pagar R$4,30 (pra ir, mais R$4,30 pra voltar!) poderá chegar a um hospital, um parque, uma escola ou qualquer outro lugar que supostamente seria público. Nesse sentido, a luta pelo transporte e a luta pela educação se conectam de muitas formas. Na cidade de São Paulo, a conquista do Passe Estudantil, em 2015 – após as manifestações contra o aumento da tarifa – é uma prova disso, porque ter que pagar a condução pra ir e voltar da escola muitas vezes faz com que estudantes faltem nas aulas ou tenham que fazer longas caminhadas a pé. Os recentes cortes e bloqueios nas gratuidades estudantis não só tem aumentam a evasão escolar, como impedem a educação em Continue lendo NOTA DE APOIO – TODO A FORÇA À LUTA CONTRA OS CORTES NA EDUCAÇÃO!

A ‘MEDIAÇÃO’ DA POLÍCIA DAS CATRACAS

Governantes e empresários do transporte mais uma vez convocaram massivamente as forças policiais para tentar controlar o ato contra o aumento. Guarda Civil Metropolitana (padrão, IOPE e Guarda Ambiental) e Polícia Militar (padrão, CAEP, Força Tática, Batalhão de Choque com blindados israelenses, helicópteros, infiltrados e Cavalaria). Isso tudo, além da “novidade” dos policiais de coletes azuis, os ‘mediadores’. A única “mediação” que todas tropas propuseram foi o atraso e o bloqueio constante do ato, para tentar impedir que ocupássemos as ruas da cidade que nós construímos todo dia. A maior preocupação do Estado, a todo momento, foi evitar que a revolta dos de baixo à repressão – que se vê menos sem as bombas e tiros de balas menos letais – chegasse à luxuosa Avenida Paulista, monumento dos poderosos! Tentaram fazer com que o ato não saísse da concentração, tentaram fazer com que o ato terminasse na Praça Roosevelt. Não arredamos! Isso só mostra que os tais mediadores não se importaram, em nenhum momento, com o que chamam de democracia. Ao longo de todo o trajeto, tensionaram o ato travando a caminhada várias vezes. Tentaram proibir máscaras – ao mesmo tempo que usavam balaclavas sem identificação. Tentaram proibir hastes de Continue lendo A ‘MEDIAÇÃO’ DA POLÍCIA DAS CATRACAS