Sobre a semana nacional de lutas pelo transporte público e o ato de sexta-feira (25/10)

A semana nacional de luta por transporte público de 2013 se encerra com catracas queimadas, validadores destruídos e milhares nas ruas pela tarifa zero em todo o país. Em São Paulo, explodiu a revolta acumulada contra a política da prefeitura de corte de linhas, que multiplica as catracas no caminho da população. O incêndio, que começou com pneus na M’Boi Mirim, alcançou as maiores avenidas do Grajaú e a Estrada do Campo Limpo. As faíscas não tardarão a chegar à zona leste e região noroeste, onde avança a “racionalização” – do rendimento e dos lucros das empresas de ônibus. Infelizmente essas manifestações acabaram publicadas nas páginas policiais. Não apoiamos o que aconteceu com o coronel da PM, mas também condenamos o atropelamento de manifestantes por um delegado no Grajaú nessa quarta-feira; os espancamentos do Christian em 2006, do Vinícius em 2011 e do Pedro em 2013, dentre vários outros, todos cercados por policiais em atos do MPL; os esculachos de adolescentes e moradores de rua dentro e fora das delegacias nessa sexta feira; os abusos contra mulheres, como aquelas obrigadas a  ficar nuas para a revista após a última manifestação; as mais de cem prisões arbitrárias, os ferimentos por balas Continue lendo Sobre a semana nacional de lutas pelo transporte público e o ato de sexta-feira (25/10)

Fora Terminal Campo Lixo! Informe do ato do dia 24/10

Moradores e movimentos da região do Campo Limpo, com apoio do MPL-SP, realizaram nesta quinta-feira (24/10), ato contra o terminal Campo Limpo e pela volta das linhas bairro-centro. O ato se concentrou às 17h Extra do Taboão, no início da Estrada do Campo Limpo e seguiu em caminhada em direção ao Terminal Campo Limpo. Quando da inauguração do Terminal Campo Limpo, todas as linhas que iam diretamente aos bairros depois dele foram cortadas e direcionadas para dentro do terminal. Depois dessa medidas da Prefeitura, os moradores levam quase duas horas a mais no transporte, todos os dias, para chegar e voltar do trabalho, devido ao congestionamento de ônibus no terminal e a obrigação de pegar novas filas para trocar de ônibus. As linhas do bairro que antes eram lotadas agora saem do terminal superlotadas. O Terminal Campo Limpo só atrapalhou a vida dos moradores da região que dependem do transporte coletivo. Por isso a principal reivindicação do ato é a extinção do terminal e o retorno das linhas diretas. A manifestação reuniu 150 pessoas, mas não conseguiu entrar no terminal, que foi fechado e esvaziado pela SPTrans e bloqueado por uma fileira de PMs para impedir a entrada do ato, com Continue lendo Fora Terminal Campo Lixo! Informe do ato do dia 24/10

Carta aberta dos Metroviários e MPL na semana de luta por transporte

Na manhã desta sexta-feira, o Sindicato dos Metroviários e o MPL-SP distribuíram carta aberta aos usuários do metrô convocando a população para o ato por Tarifa Zero logo mais às 17h.  A luta dos trabalhadores e usuários é uma só: contra o sufoco e na defesa de um transporte público de verdade! Os desvios de verbas no metrô e os acidentes e falhas que vivemos todos os dias só ocorrem porque o transporte é pensado para o lucro, e não para as necessidades e segurança de seus usuários e trabalhadores! Os de cima colocam nas nossas costas a culpa de nosso próprio sufoco. Mas os culpados são eles: transporte é direito e tem que ser garantido pelo Estado! Já mostramos que vale a pena lutar! Seguimos juntos contra as demissões e na luta por um transporte público e de qualidade para toda a população!

Sob bombas, prisões e ameaças, periferia luta contra as catracas! Informe do ato no Grajaú

Na tarde de quarta-feira (23/10), centenas de pessoas se reuniram na avenida Belmira Marin, na altura da EE Carlos Ayres, em um protesto por um transporte digno e gratuito no extremo sul de São Paulo, exigindo a volta das linhas de ônibus bairro-centro cortadas nos últimos anos, a criação de uma linha circular entre os bairros e a extensão da Linha Esmeralda da CPTM até o Varginha e Parelheiros. Fruto de um processo longo de construção, com intervenções e terminais, debates nas escolas e quebradas, o ato contou com a presença de vários movimentos da região, jovens das escolas, moradores das ocupações, grupos de teatro, usuários que aderiram no caminho. Ao longo da manifestação, aconteceram intervenções artísticas e uma queima de catraca ao som do grito “queima catraca Grajaú!”. Próximo ao Terminal Grajaú, um grupo de dezenas de pessoas, dentre eles funcionários da administração da SPTrans na zona sul, tentaram impedir que o ato ocupasse a via, ameaçando e agredindo os manifestantes. O ato, porém, resistiu e persistiu, seguindo em direção ao Passa-Rápido Rio Bonito, onde chegou um grupo de 200 moradores da Ocupação Anchieta para somar na luta. Em assembleia, decidiu-se por seguir em direção ao Socorro. Na avenida Continue lendo Sob bombas, prisões e ameaças, periferia luta contra as catracas! Informe do ato no Grajaú