Aula pública sobre as licitações: Quem manda no nosso busão?

Estamos nos aproximando de um momento decisivo no sistema de transporte coletivo do município de São Paulo: o processo licitatório. As licitações definem grande parte do contrato entre governantes e empresários. Elas ocorrem há cada dez anos e geram muitos impactos no sistema de transporte coletivo durante esse período, como na configuração das linhas, na qualidade do transporte e até mesmo na tarifa. A última licitação, que ocorreu em 2003 na gestão Marta, trouxe uma série de mudanças que dificultaram muito a vida da população. Por trás de implantações como o bilhete único, corredores de ônibus e terminais, havia o projeto tronco-alimentador, responsável pelo corte de diversas linhas de bairro e pelo aumento das filas de espera em pontos e terminais. Mas a medida mais drástica que compôs essa licitação foi a consolidação da remuneração por passageiro, que incentivou os empresários a lotarem os ônibus e diminuirem a frota para lucrarem mais. A licitação que será discutida em breve foi apresentada pela primeira vez em 2013, mas as manifestações populares na luta contra o aumento da tarifa levaram ao seu cancelamento pela gestão Haddad. Assim, as empresas que continuam operando o transporte público fazem sem licitação já há mais de Continue lendo Aula pública sobre as licitações: Quem manda no nosso busão?

Aula pública no Anhangabaú: Tarifa Zero já!

Já começou a luta contra a tarifa e seus aumentos. Um dia antes de entrar em vigor a nova tarifa de R$3,50, decretada por Haddad e Alckmin, centenas de pessoas se reuniram para participar de uma aula pública sobre transportes no centro da cidade. O evento, marcado para em frente à Prefeitura, mudou para debaixo do Viaduto do Chá devido à chuva. Esteve presente Lúcio Gregori, engenheiro que foi Secretário de Transportes de São Paulo no início dos anos 1990 e trabalhou, na época, na elaboração de um projeto de Tarifa Zero e municipalização dos ônibus da capital. A Tarifa Zero se mostrou perfeitamente viável do ponto de vista técnico e econômico, mas não foi implementada por falta de vontade político. Também falaram na mesa militantes do Movimento Passe Livre e da Luta do Transporte no Extremo Sul, retomando que o projeto de gratuidade nos transportes para estudantes de baixa renda e escolas públicas anunciado por Haddad é uma resposta a anos de luta da população, mas apontando sua insuficiência e criticando o aumento da tarifa. O transporte só será público de verdade quando não houver catracas para ninguém. R$ 3 é roubo, R$ 3,50 também. E só com a Continue lendo Aula pública no Anhangabaú: Tarifa Zero já!