Passe Livre SP Mulheres: 2) A cidade do carro, uma cidade machista

Quem nunca ouviu “piadas” sobre mulheres dirigindo?  A ideia de que carro é coisa de homem é muito forte e constante no nosso dia-a-dia. A associação entre o homem (e a masculinidade) e o carro está ligada a uma desigualdade de gênero nas possibilidades de transporte e mobilidade. Ainda vivemos uma diferença de salários e de trabalho entre homens e mulheres. Isso faz com que, principalmente nas famílias em que o homem tem o papel de “provedor” do dinheiro, seja ele quem pode comprar e dirigir o carro. Esse meio de transporte – individual e privado – é o mesmo que vemos sendo priorizado nas políticas do Estado. O transporte “público”, por outro lado, no qual as mulheres são maioria, sofre cortes, tem o uso do espaço restrito, uma tarifa cada vez mais cara, com as condições de lotação e desconforto que já conhecemos (1). Frente a essas desigualdades, a sociedade não pode tratar o deslocamento e o acesso à cidade como um problema individual. Sabemos muito bem quem são os indivíduos que conseguem transitar nessas condições e sabemos que as mulheres, principalmente negras e periféricas, são as mais prejudicadas pela cidade do carro. Este modelo de cidade é vinculado Continue lendo Passe Livre SP Mulheres: 2) A cidade do carro, uma cidade machista

NOTA DAS MULHERES DO MOVIMENTO PASSE LIVRE A RESPEITO DO ESTUPRO NO METRÔ REPÚBLICA

“Não se consumou o roubo do cofre. É importante que isso seja colocado para mostrar que há segurança onde se guarda os valores no Metrô”,afirmou o secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre de Moraes. Nas ultimas semanas os jornais noticiaram que uma mulher foi estuprada em um dos pontos mais movimentados da cidade de São Paulo. A garota de dezoito anos trabalhava em uma cabine de recarregamento de bilhetes de transporte na estação República do Metrô e estava saindo do trabalho. Nesta estação circulam centenas de pessoas que embarcam diariamente em duas das linhas mais movimentadas da cidade. Os valores da tarifa que excluem milhares de pessoas do acesso à cidade estavam protegidas. As trabalhadoras, não. O estupro aconteceu no dia 02 de abril, mas foi noticiado nos jornais apenas no dia 06, depois da denúncia de outrxs trabalhadorxs, que afirmam que o Metrô tentou abafar o caso. O absurdo de uma mulher ser estuprada dentro de seu espaço de trabalho, teoricamente seguro, já é o suficiente para evidenciar o quanto nossa sociedade oprime a mulher: a cultura do estupro e do medo, a falta de segurança no espaço de trabalho, a falta de distinção entre o corpo privado e Continue lendo NOTA DAS MULHERES DO MOVIMENTO PASSE LIVRE A RESPEITO DO ESTUPRO NO METRÔ REPÚBLICA