Noroeste em Movimento: os R$3,50 também vem dos cartéis do trem e do Metrô

NÃO ESQUECEMOS: OS 3,50 TAMBÉM VEM DOS CARTÉIS DO TREM E METRÔ Toda vez que tem aumento da tarifa, prefeitos e governadores dizem que o aumento é inevitável, que é abaixo da inflação e que se não tiver aumento terão que tirar dinheiro da educação e da saúde. É verdade que o Geraldo Alckmin não se preocupa muito em dar alguma justificativa. Afinal, por que alguém que nega que há racionamento de água na cidade de São Paulo, quando todo mundo está vendo sair ar da torneira, vai se preocupar em justificar aumento da tarifa nos trens da CPTM e do Metrô? Além das tarifas do transporte coletivo em SP estarem entre as mais caras do planeta, todo mundo que pega trem da CPTM e do Metrô em São Paulo sente na pele o que é humilhação e o descaso do governo do Estado. Trens superlotados, acidentes, falhas e atrasos diários! Esse é o dia a dia das pessoas que precisam dos trens para se locomover. Mas falemos de valores. Caso o Alckmin achasse que a população merece alguma justificativa, como explicaria para nós as denúncias que mostram que boa parte da absurda tarifa que pagamos serve de propina para Continue lendo Noroeste em Movimento: os R$3,50 também vem dos cartéis do trem e do Metrô

Contra o sufoco no metrô!

Depois no caos no Metrô vivido em São Paulo no último dia 4 de fevereiro, a mídia não pode esconder mais o cotidiano de sufoco e humilhação vivido todos os dias pelos usuários e trabalhadores da rede metroferroviária paulista. Trens que descarrilham, portas que abrem sozinhas, fogo em composições, superfaturamento de contratos é o que o Governo do Estado oferece a população. E, quando a população resiste, saindo de trens lotados e com o ar-condicionado desligado, tomando as linhas depois de tempo de espera incompatível com a situação vivida dentro dos vagões do Metrô em horário de pico, são chamados de “vândalos” pelo Governador Alckmin e pelo Secretário de Transportes Jurandir Fernandes. Esses senhores não dizem uma linha sobre o que farão para acabar com o caos no Metrô, mas afirmam que tomaram medidas para identificar “os grupos organizados que provocaram o caos”. Mas esse grupo já está muito bem identificado: o Governo do Estado. A revolta, auto-organizada, da população é a maior prova de que não adianta acreditar que o povo não tem capacidade de fazer nada, que a população sabe de seus problemas e sabe como lutar para transformar esse cotidiano de insegurança e sufoco. Se os de Continue lendo Contra o sufoco no metrô!

Solidariedade à justa revolta dos usuários do Metrô!

Solidariedade à justa revolta dos usuários do Metrô! Ontem, a população enfrentou uma situação caótica no metrô. Um trem da Linha 3-Vermelha se desenergizou completamente, desativando com isso o sistema de ar condicionado dos vagões, obrigando os passageiros a descer nos trilhos para não passar sufoco. Toda operação da linha Vermelha foi paralisada por mais de 5 horas e também houve panes nas linhas 1-Azul e 4-Amarela. A revolta dos usuários se espalhou por pelo menos 7 estações A tragédia já estava anunciada. Não por acaso, a falha de energia aconteceu num trem da Frota K – que teve sua manutenção terceirizada para o Consórcio ITTRENS, ligado ao esquema de propinas entre o Governo Estadual e os cartéis metroferroviários. Essa frota já havia registrado quase 700 falhas em um período de 30 dias, além de ter descarrilado na Barra Funda em agosto de 2013. O Sindicato dos Metroviários denuncia a situação da Frota K desde 2011. Resistindo ao sufoco, ontem os passageiros se revoltaram e tomaram os trilhos. O Governo, ao invés de assumir o problema, responde atacando e criminalizando a população – Juradindir Fernandes, secretário de Alckmin, chama os passageiros de “vândalos” e diz que vai monitorá-los. Ora, se Continue lendo Solidariedade à justa revolta dos usuários do Metrô!

Uma semana de falhas na CPTM: o sistema ferroviário à beira de um colapso e a revolta popular

Uma série de falhas ocorreu na última semana na CPTM: problemas na energia, alagamentos nas vias, descarrilamento e até mesmo incêndio em uma composição vazia. Em alguns desses casos, usuários ficaram presos dentro dos trens por quase uma hora, quando tiveram que descer e completar o trecho à pé. Muitos reclamaram da falta de auxilio e de comunicação por parte da CPTM, que não disponibilizou escadas para descerem e não informava sobre porque os trens estavam paralisados. O imenso número de falhas em uma só semana mostra que esses não são casos pontuais e isolados, mas uma realidade recorrente que assombra o dia-a-dia  de quem viaja na CPTM, que registra anualmente centenas de panes, falhas e acidentes. Não bastasse a humilhação coletiva à qual nós – passageiros e trabalhadores do transporte – somos submetidos diariamente, tratados como sardinha em lata, temos ainda nossas vidas colocadas em risco pelo sucateamento dos trens. O sistema ferroviário de São Paulo está à beira de um colapso. E enquanto nossos trens descarrilam, o lucro de quem manda e ganha com o transporte segue nos trilhos, intocado – apesar das denúncias dos desvios milionários de dinheiro público pelos cartéis metroferroviários e o governo estadual… Frente Continue lendo Uma semana de falhas na CPTM: o sistema ferroviário à beira de um colapso e a revolta popular